quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

ATÉ, QUE ENFIM, APROVADA PUNIÇÃO PARA ESTUDANTE AGRESSOR
Projeto prevê troca de escola, proibição do aluno aproximar-se do docente agredido e inserção do professor em programas de assistência.

Os alunos que praticarem violência contra professor poderão ser transferidos para outra sala de aula, afastados da escola ou ainda proibidos de aproximar-se do professor, ofendido ou de seus familiares. É o que determina projeto de lei (PLS 191/09) do senador Paulo Paim (PT-RS), aprovado na última terça-feira pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE).

De acordo com a proposta, será considerada violência contra o professor “qualquer ação ou omissão decorrente da relação de educação que lhe cause morte, lesão corporal ou dano patrimonial”, praticada direta ou indiretamente por alunos ou seus responsáveis.

Se necessário, determina ainda o texto aprovado, a Justiça poderá encaminhar o professor a um programa oficial ou comunitário de proteção ou assistência, além de determinar a manutenção do seu vínculo trabalhista por até seis meses, quando houver o afastamento do local de trabalho.

O relator, Gerson Camata (PMDB-ES), observou que 87% dos professores – segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) – gostariam de contar com uma lei que os protegessem de agressões praticadas por alunos.

-Precisamos proteger também o professor. Todos olham para o aluno, mas é importante estar atento também para a situação do professor – disse Paim durante a discussão da proposta.

Também recebeu parecer favorável da comissão o PLS 251/09 , da senadora Marisa Serrano (PSDB-MS), que autoriza o governo federal a implantar - em articulação com estados e municípios – o Sistema Nacional de Acompanhamento e Combate à Violência nas Escolas (Save).

Segundo a proposta, relatada por Flávio Arns(PSDB-PR), o sistema atuará prioritariamente na produção de estudos, levantamentos e mapeamento de ocorrências de violência escolar.

- A maior preocupação da sociedade hoje não é mais com a qualidade de ensino, mas com a violência escolar – disse Arns. As duas propostas seguem agora para a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Fonte: www.mec.gov.br

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

E AGORA EDUARDO CAMPOS? Qual será a desculpa? ou Justificativa?
Municípios têm recursos para garantir o aumento salarial, diz ministro
Quarta-feira, 30 de dezembro de 2009 - 14:04

O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse nesta quarta-feira, 30, ter convicção de que estados e municípios têm condições de pagar o piso salarial dos professores, no valor de R$ 1.024,67, conforme interpretação da Advocacia-Geral da União (AGU). O reajuste do piso passa a vigorar em 1º de janeiro de 2010 e corresponde a uma jornada semanal de 40 horas.
Haddad apresenta três razões que justificam a capacidade de governadores e prefeitos de honrar o reajuste de 7,86% no piso dos professores. A primeira, o aporte adicional de R$ 1 bilhão, a serem transferidos pelo governo federal no próximo ano aos cofres de estados e municípios, com o aumento de 36% nos repasses para merenda e transporte escolares. Governadores e prefeitos haviam solicitado R$ 400 milhões adicionais ao presidente da República.
A segunda razão é o aumento das transferências da União ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).
Os recursos sobem de R$ 5,07 bilhões em 2009 para R$ 7 bilhões em 2010. Ao juntar a transferência de R$ 1 bilhão da merenda e do transporte com os R$ 2 bilhões de complementação do Fundeb, o ministro diz considerar que o reajuste de 7,86% no piso nacional dos professores é “suportável” para estados e municípios.A terceira questão relacionada por Haddad refere-se às projeções do Produto Interno Bruto (PIB) para 2010. Todas indicam crescimento de 5% na arrecadação.

O parecer da AGU sobre o índice de reajuste do piso salarial dos professores, em resposta a consulta feita pelo Ministério da Educação, tomou por base a diferença entre o valor efetivo do Fundeb por aluno ao ano praticado em 2008 (R$ 1.132,34) e o de 2009 (R$ 1.221,34). A diferença apurada é de 7,86%. Com isso, o piso da jornada de 40 horas passa dos R$ 950 atuais para R$ 1.024,67 em janeiro de 2010.

Ionice Lorenzoni Fonte: http://www.mec.gov.br/
Governo aumenta recursos para merenda e transporte escolar

Segunda-feira, 28 de dezembro de 2009 - 18:33

O ministro da Educação, Fernando Haddad, anunciou nesta segunda-feira, 28, reajustes dos valores da merenda e do transporte escolar a serem repassados aos municípios em 2010. O valor da merenda passa de R$ 0,22 para R$ 0,30 por dia letivo para cada aluno da pré-escola, ensinos fundamental e médio e educação de jovens e adultos.O custo total das transferências para a merenda sobe de R$ 2,2 bilhões este ano para cerca de R$ 3 bilhões em 2010.
O objetivo da medida, segundo o ministro, é recompor o poder de compra de alimentos para as escolas.Já o valor do transporte escolar por estudante da área rural será de R$ 0,30 por trecho percorrido, o que representa R$ 0,60 por dia letivo. Com o reajuste, o repasse do governo federal aos municípios que transportam alunos do campo para escolas na cidade vai dos atuais R$ 478 milhões para aproximadamente R$ 678 milhões no próximo ano.
De acordo com Haddad, o reajuste dos valores do transporte escolar beneficia os municípios mais pobres e que têm mais matrícula de alunos do campo. O Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar (Pnate) apóia os municípios que registram no censo escolar matrículas de alunos da educação infantil e dos ensinos fundamental e médio residentes na área rural.

Caminho da Escola – Além de atualizar os repasses de recursos dos programas da merenda e do transporte de alunos, o ministro da Educação lembra que o governo federal investiu nos últimos dois anos R$ 790 milhões no programa Caminho da Escola, que incentiva a aquisição de veículos escolares novos e certificados pelo Inmetro. Com essa verba foram adquiridos 5.190 veículos escolares. Segundo Haddad, essa frota é muito importante, por isso foi aprovado o reajuste do Pnate, que é um recurso para manutenção dos veículos e garantia de que estão levando as crianças com segurança para a escola.

Ionice Lorenzoni Fonte: www.mec.gov.br

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

RETROSPECTIVA 2009

Governo do Estado 8 X 0 SINTEPE
Mais um ano se passa da gestão Eduardina com o governo do Estado ganhando de lavada da maior e mais mal paga categoria do Estado, a Educação.
Ações inexpressivas e inoperância do movimento de reivindicação junto ao secretário de Educação do Estado Danilo Cabral, que nem se dá ao trabalho de receber a comissão de negociação do Sindicato, acordos descumpridos, não implantação do PISO, medidas para dividir a categoria, foram algumas metas alcançadas que tornaram vitoriosas todas as batalhas travadas entre o governo Eduardo Campos e o Sintepe.
A mal fadada greve de junho e suas conseqüências nos mostram o quanto precisamos evoluir na organização do movimento grevista e não parecermos uns calouros diante do governo e da imprensa. O desrespeito deste governo frente aos educadores de Pernambuco é latente. Não temos representação política alguma que vise a barrar esse processo.
Este governo, parece aliado de todos da Assembléia Legislativa do Estado, atraindo para suas secretarias pessoas ligadas não somente às velhas oligarquias de Pernambuco, mas também aos novos caciques do movimento de Esquerda, nos mostrando o quanto somos pequenos diante de seu poder.Eduardo Campos, ruma para 2010, certo de mais um mandato à frente de nosso Estado, contando com o conforto de suas alianças políticas.
A cara falida da Educação de Pernambuco é constantemente maquiada com propaganda governista, que diz investir milhões, que no entanto não mudam a miserável rotina de nossas escolas que continuam sem estrutura, com o seu professor a cada dia mais desestimulado.
Acabamos 2009 com perdas inumeráveis. A possibilidade de um 2010, diferente para o Sintepe, só cabe a nós, professores e demais trabalhadores em educação. Afinal, nós fazemos o sindicato, que merecemos e sonhamos.
Que na tradicional assembléia de fevereiro, nos portemos diferente e mostremos o quanto de guerreiro há em cada um de nós.
Que 2010 seja um ano vitorioso para todos nós em todos os aspectos de nossa vida.
Feliz Natal!!!

domingo, 20 de dezembro de 2009

ESTATIZANDO OPINIÕES?

É irônica a entrevista dada pelo governador ao jornal Folha de Pernambuco, em momento algum, fala-se de educação como meta de investimento em 2010. Muito pelo contrário, se falou constantemente acerca da crise na secretaria de turismo e no processo eleitoral de 2010.

Em momento algum, comentou-se a respeito das muitas greves que ocorreram neste ano a exemplo: Educação, Saúde, Detran, policiais, ....., o governador afirma em uma parte da entrevista que foi difícil assegurar os aumentos prometidos, mas foram cumpridos.

Cumpridos para que segmento dos servidores estaduais? Por que, na Educação e no meu contracheque, não vi aumento algum! Pelo contrário o que ocorreu este ano foi um aumento da carga de trabalho muito grande nas escolas.

Seria então a folha de Pernambuco uma estatal do governo estadual? Para mim, cada mais parece que sim, pois a impressão que se tem da entrevista dada, é de que as perguntas já se era conhecida pelo senhor governador, e mais teve uma caráter político de prestação de constas do que um jogo do tipo: “jogo da verdade”.

O senhor governador esta muito seguro acerca de sua reeleição em 2010, mas não teria tanta certeza, pois o presidente Lula estará mais ocupado com a sucessão presidencial do que com as eleições estaduais, e o melhor de tudo, Jarbas Vasconcelos assombra politicamente mais uma vez o cenário político pernambucano, 2010 promete e com certeza não será um ano tão fácil para o governador, como ele tanto tenta transparecer!

Esses jornais pernambucanos mais parecem estatais do governo estadual do que empresas sem ligações políticas em que se deveria promover a publicação de notícias com conteúdos verídicos, em que ambas as partes de um dado processo tivessem o mesmo espaço para se defenderem, e ainda falam de democracia, que piada! É irônico, mas por que a folha de Pernambuco não realiza uma entrevista com os servidores estaduais sem terem de se identificar, acerca da popularidade do governo entre os servidores?

sábado, 19 de dezembro de 2009

Reordenamento: mais um golpe.

Reordenar no dicionário da Secretaria de Educação de Pernambuco significa excluir, separar, compartimentar. Em 2010 as escolas de Camaragibe farão parte do projeto de 'reordenamento', umas funcionarão apenas com o Ensino Fundamental, outras, só com o Ensino Médio.
Dia 24 de novembro em reunião com a SEE e comissão (parte) tivemos a confirmação do que já era desconfiança: O reordenamento tem como objetivo, transferir aos poucos a responsabilidade do Ensino Fundamental para os municípios, e as Escolas do Ensino Médio serão os futuros
Centros de Referências (e exclusão).
Atados, estamos tentantando reverter o quadro como fizeram os companheiros da Escola Frei Caneca(Camaragibe) que, ao saberem do golpe praticado pela GRE/SEE, reuniram-se e conseguiram vetar a aplicação da proposta na escola. Pela ilegalidade da ação, uma vez que a mesma não passou por discussão com a comunidade escolar, solicitei ao Sintepe, apoio para barrar o projeto. Havia reunião marcada para 15 de dezembro mas, a SEE alegando agenda com o governo, desmarcou o encontro.
Lembro que, na Escola Santa Sofia na qual trabalho, sem que nada soubessemos, aprovou-se a proposta em reunião às portas fechadas, com a presença de Sandra (GRE Metrosul) e direção da escola.
Ando no aguardo para ver o que vai acontecer, até porque, para mim não ficou clara ainda a posição do nosso sindicato, se é contra ou a favor do reordenamento, pois está deixando que a GRE e os diretores decidam descaradamente o destino das escolas. Se não sabiam do projeto e foram pegos de surpesa, agora já sabem e precisam agir urgentemente, o ano está findando e, queremos a garantia do recebimento de alunos de 5ª série em nossa unidade escolar.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Sentindo na pele

A nota abaixo foi publicada na coluna Repórter JC, no Jornal do Commercio de 9 de dezembro:
.

Enem provoca reflexão
.
O “teste de resistência” que foi o Enem, realizado no último fim de semana, serviu para mostrar a alunos de escolas particulares como é difícil o dia a dia de muitos estudantes de colégios públicos. Salas de aulas quentes e sem ventilação dificultam o aprendizado e a concentração. Uma adolescente moradora de Boa Viagem, bairro nobre do Recife, fez as provas em uma escola estadual de Casa Amarela, na Zona Norte. Desabafou no JC Online: “Nós que somos alunos de redes privadas, que assistimos a aulas com professores de qualidade, em salas com boa infraestrutura, ar condicionado, já não encontramos tanta motivação para nos manter na escola durante o ano, imaginem os que estudam numa escola pública. O calor é imenso, não bancas de qualidade. Não existe nada que motive o aluno a assistir aula nem por uma semana na escola pública.”

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Temporários de luxo

A SE lançou edital de inscrição para selecionar profissionais contratados temporariamente para desempenhar funções na rede pública. Nenhuma novidade, pois a SE tem fetiche por contratos temporários. Também não é surpresa o fato de que as remunerações dos temporários sejam superiores aos salários de fome pagos aos professores regulares e efetivos da rede, afinal, um "analista de projetos" ou um "analista de obras" receberão R$ 3.230,00 mensais por 40 horas de trabalho semanais.
.
Também há vagas para coordenadores de cursos técnicos e coordenadores de ensino a distância, por salários de R$ 2.932,96. Assistentes de laboratório profissional e de informática receberão R$ 883,06 mensais. Todos estes profissionais também deverão cumprir 40 horas de serviço por semana.
.
A surpresa é a criação de uma nova classe de profissionais temporários: professores de educação profissional. Tais professores receberão R$ 728,00 mensais por uma carga-horária de APENAS 12,5 horas mensais, podendo haver acréscimo de jornada de trabalho com ganhos proporcionais. ....
O que isso significa exatamente? Ora, um professor regular (e concursado) da rede estadual em início de carreira - que trabalha 40 horas semanais - recebe mensalmente um montante líquido equivalente ao que receberá o futuro professor temporário (apesar do piso salarial falacioso alardeado pelo governo estadual)... e por uma carga-horária quase 4 vezes superior!
...
O que fará o professor de educação especial? Ministrará aulas! Então por que tamanha distinção salarial para o exercício da mesma espécie de atividade entre os professores regulares e estes temporários de luxo?
.
Estamos esperando uma justificativa aceitável!

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Professor Danilo Cabral???

Ontem, durante a abertura da Conferência estadual de educação, no Recife Palace em Boa Viagem, o representante do MEC, Arlindo Queiroz, afirmou o "empenho" do "professor Danilo Cabral" à frente da SEE/PE, bem como do governo do estado com sua "preocupação" em relação a educação pública.

O desavisado representante do MEC não foi informado que em Pernambuco, professor fica em segundo plano, até na gestão da SEE, ora ocupada pelo burocrata e sempre sumido Danilo Cabral.

O próprio ministério da educação deveria impor critérios para serem seguidos na escolha dos secretários de educação, cujo currículo deveria constar o exercício da docência. Quem melhor que um professor(a) para saber o que é melhor para a educação em nosso estado?

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Professor(a) pare e reflita

Na propaganda do governo do estado sobre "melhorias" na educação sempre há depoimentos, positivos para o governo, de professores(as), alunos, funcionários entre outros.

Por outro lado na propaganda deste mesmo governo sobre "melhorias" na saúde como construção de novos hospitais e compras de equipamentos não se vê médico, ou outro servidor da saúde a elogiar o governo.

Interessante isso. atiramos o tempo todo em nosso próprio pé. Quem reivindica não pode jamais parar diante das câmeras de propaganda do governo e declarar que está tudo bem. São essas contradições que enfraquecem a categoria.

O professor(a) é testemunha de que a educação em nosso estado precisa e muito melhorar. Estamos no fundo do poço, somos os docentes pior remunerados em todo o território nacional. Quando, com essa desunião, conseguiremos os mais de 400% de reajustes conseguidos pelos médicos? E eles estão lá firme em suas reivindicações, pois não basta só remunerar bem, é preciso ofertar estrutura. E nós, docentes que não temos nem uma coisa, nem outra?Nem remuneração reajustada como se deve, nem estrutura e pior, nem união. Nossa categoria é dividida, fragmentada, desarticulada e inerte.

domingo, 22 de novembro de 2009

XI CONFERÊNCIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

A Conferência Estadual de Educação (de 18 a 21 nov. Itamaracá) foi sem dúvida um bom momento para refletirmos mais uma vez, sobre a política pública educacional desenvolvida no cenário pernambucano. As queixas dos diversos companheiros(as) (delegados/as) presentes ao encontro não deixa dúvida quanto a disseminação das práticas terroristas impostas por Eduardo Campos através da Secretaria de Educação em todo o Estado.
O Público e o Privado na Gestão de Educação Básica foi o tema central sobre o qual decorreram os trabalhos, e assunto da palestra inicial ministrada pelo profº.Dr. Vitor Henrique Paro (USP) que, numa belíssima explanação classificou a política de premiação do governo como um ato que fere e estabelece uma relação perserva, dentro da educação. Quanto ao usos dos cronômetros o professor mostrou-se indignado, disse ser a prática " um ato violento,antipedagógico, uma expressão de autoritarismo do Estado"e cobrou do Sintepe medidas enérgicas capazes de coibir tais ações contra os trabalhadores em educação. Aproveitamos a oportunidade para mostrar ao palestrante como funcionam os "famosos" Centros de Referência e a política de exclusão que vem no rastro dos mesmos.
Mas, enquanto o profº Paro condenava o uso dos cronômetros a professora e deputada Tereza Leitão, mesmo mostrando-se contrária ao projeto, afirmou que, este, vem reforçar o que todos sabemos: "Os professores utilizam muito mal o tempo pedagógico, fazem chamadas intermináveis, escrevem muito no quadro etc...", disse também entender que estes procedimentos fazem parte de uma rotina calcada em péssimas condições de trabalho .
As afirmações da deputada soaram como um um tiro no pé. Será que a nobre deputada não sabe que, a GRE instrue e quer obrigar-nos a chamada dos 40, 50, 55 alunos por sala? Será que desconhece que, em certas escolas alunos estudam sem livros e precisamos anotar boa parte dos conteúdos no quadro? Será que a deputada sabe que o projeto é financiado pelo Banco Mundial? Será que desconfia quem serão os beneficiados com o projeto? Ficam as perguntas.
Sobre o tema "Educação um Direito Humano a Ser Conquistado o pofº Manoel Moraes (Comissão de Direitos Humanos de Pernambuco), muito comentou sobre a fome cultural, fome geradora da dominação, lembrou-nos do personagem Pinóquio que, "queria ser gente, enquanto tem muita querendo ser boneco". Alertou-nos para as práticas do Estado dominador que nos remete ao não pensar e ao comodismo, falou do apartheid resultante das políticas educacionais implantadas de forma alienante e desumana. Embebidos e apaixonados pela contagiante exposição de Manoel, fomos em seguida, esperadamente nocauteados pela fala de Edla Soares (Conselho Estadual de Educação) que, como não poderia deixar de ser fez apologias as políticas de governo, considerando-as ações inclusivas e facilitadoras ao acesso de todos a escola pública. Inclusive em sua fala a professora chama a atenção do professor Manoel, porque o mesmo ao apresentar imagens num painel, esqueceu de mostrar a resposabilidade nossa (da categoria) em relação aos problemas da educação.
Liz Ramos (Centro de Cultura Luiz Freire) e Heleno Araújo(presidente Sintepe) em suas exposições discursão sobre "Controle Social na garantia do Direito à Educação), enquanto o profº. Dr. Dante Henrique Moura (IFRN) e profº. Zélito Passavante (Diretor da secretaria de Comunicação do Sintepe) discorrem sobre a "Educação Escolar e o Mundo do Trabalho" ambos trazendo dados e pontos interessantes a respeito da evasão escolar, gestão democrática, o papel dos amigos da escola, do trabalho voluntariado, da visão mercadológica que permeiam as políicas educacionais, entre outras questões. Porém forçosamente somos obrigados a mostrar certas contradições da Conferência, enquanto condena-se a visão de mercado no setor da educação pública, nos grupos de trabalhos debruçamo-nos em textos (Sintepe) que, em lugar da palavra aluno, lia-se clientela, em outros, induzia-se às parcerias privadas além de dar poderes aos empregadores a organizarem cursos no próprio local de trabalho, entre outros procedimentos. Atitude esta que por sua vez fere a própria Constituição Federal que, em seu Artigo 208.I, trata da oferta da escola pública e da competência dos poderes públicos em disponibilizar os recursos para atender todos os que, à esta procurar.
A parte cultural do evento contou com a presença de Chico Pedrosa, Espetáculo de Dança popular (Átila dos Santos), Grupo Cultural do Sintepe, Filme/"Pro Dia Nascer Feliz", Grupo Cultural do Alto José do Pinho (Poesis), Voz ,Violão e Poesias (trabalhadores/as em educação).

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Marco Maciel, Sérgio Guerra e Jarbas Vasconcelos - Inutilidade no Senado Federal

Política X Politicagem
.
.

por Gilson Sotero Jr
para o Acerto de Contas
http://acertodecontas.blog.br/artigos/politica-x-politicagem/
.
Extraído do Jornal do Senado edição de 21/09/2009 a 27/09/2009 edição especial.
.
Dentre todos os projetos de lei já aprovados este ano no Senado Federal, de acordo com a publicação semanal da Casa (do qual sou assinante e leitor assíduo), subtraí os projetos de lei suplementar, onde diversos senadores estão conseguindo instalar em seus respectivos estados (bases eleitorais) importantes instituições para alavancar a educação de seus habitantes, conforme listo abaixo:

  • PLS 428/08 – Flavio Arns – Centro Técnico Federal – Borrazopolis – PR
  • PLS 447/09 – Flavio Arns – Escola Técnica Federal – Novas Tebas–PR
  • PLS 417/08 – Flavio Arns – Escola Técnica Federal – loanda – PR
  • PLS 415/08 – Flavio Arns – Escola Técnica Federal – Ibaiti – PR
  • PLS 416/08 – Flavio Arns – Escola Técnica Federal – Cesso Azul – PR
  • PLS 429/08 – Flavio Arns – Escola Técnica Federal – Campina da Lagoa – PR
  • PLS 101/09 – Cícero Lucena – Escola Técnica Federal – Catolé do Rocha – PB
  • PLS 120/09 – Cícero Lucena – Instituto Federal – Itabaiana – PB
  • PLS 377/09 – Cícero Lucena – Centro Técnico Federal – Guarabira – PB
  • PLS 165/08 – Adelmir Santana – Escola Técnica Federal Taguatinga–DF
  • PLS 166/08 – Adelmir Santana – Escola Técnica Federal – Gama–DF
  • PLS 355/08 – Joao Pedro – centro técnica federal – Humaitá – AM
  • PLS 354/08 – Joao Pedro – Escola Técnica Federal – Tefé – AM
  • PLS 398/08 – Fatima Cleide – Escola Agrotécnica Federal Vale do Anari – RO
  • PLS 485/08 – Aloísio Mercadante – Univ. Fed. Litoral Paulista – Santos – SP
  • PLS 448/08 – Álvaro dias – Escola Técnica Federal – Rio Negro–PR
  • PLS 603/07 – Jaime Campos – Universidade Federal do Norte – Sinop – MT
  • PLS 123/08 – Kátia Abreu – Escola Técnica Federal do interior – Tocantins
  • PLS 197/08 – Joao Vicente Claudino – Escola Técnica Federal – Valença – PI
  • PLS 026/09 – Serys Slhessarenko – Cefet Técnico Federal – Sinop – MT
  • PLS 257/06 – Maria do Carmo Alves – Universidade Federal para o desenvolvimento do baixo São Francisco – Propriá – SE

Enquanto isso, nossos nobres representantes do estado de Pernambuco, se engalfinham acerca de quem será candidato ao governo ou não, quem será reeleito no próximo pleito eleitoral, criticar governos, apagões, candidaturas antecipadas, ocupado com a presidência de seu partido, em vez de trabalharem em prol do nosso povo.
.
E não se pode justificar que são apenas senadores situacionistas que conseguiram tal feito, onde vemos a nossa vizinha Paraíba com peso econômico e político bem menor que nosso estado, até bem pouco tempo atrás era governada pelo PSDB e o senador que conseguiu três escolas federais também é do mesmo partido oposicionista.
.
Apesar de investimentos estruturadores que tanto se propagandeia por aí, a educação é o melhor dos investimentos que um governante pode fazer.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Comissão do Senado aprova 14º salário para professores da rede pública

Esse projeto ainda precisa ser aprovado em duas comissões da casa. Para ter direito ao benefício, os professores dependerão do desempenho de sua escola no IDEB. Cada escola deverá aumentar o índice de desenvolvimento da educação básica(IDEB) em 50% ou obter nota igual superior a 7,0(sete).
O senador Cristovam Buarque é o autor deste projeto que segue agora para a comissão de Assuntos Econômicos e em seguida tem votação terminativa na comissão de Assuntos Sociais. Depois, o projeto ainda segue para votação na Câmara dos Deputados.
Fonte: globo.com

domingo, 8 de novembro de 2009

PRECISO DE AJUDA!

Colegas, estou cursando o gestar II e nas quartas-feiras em que ocorre o curso, tenho aulas nos turnos da tarde e noite. Ocorre que estamos em fase final, ou em processo de conclusão de uma espécie de mini monografia (que chamamos de projeto), dessa forma deixo as atividades na escola, e me dedico apenas no horário da noite nos dia do Gestar II, ao projeto visto que em outros horários não tenho tempo, dedico-me unicamente neste dia à noite . Foi-me dada à informação no início do curso de que ficaria um professor substituto no meu local, durante meu afastamento nos dias do Gestar II.

Ocorre que o gestor da minha escola, começou a me perseguir quanto a minha presença na escola no turno da noite, na última semana compareci a escola, mesmo os créditos do VEM não tendo sido creditados e comuniquei que se voltaria à escola quando os mesmos entrassem, ocorre que o mesmo (gestor) em uma das salas da noite que em eu e ele somos professores, comentou que eu era irresponsável, que não tava tendo compromisso com a escola, que desse jeito não dava, pois o curso era a tarde e não tinha por que eu faltar, e que desse jeito ia me tirar da escola, que iria me encostar na parede e iria ter uma conversa muito séria comigo ...., entre outras coisas, tudo isso relatado pelos estudantes na sexta-feira, quando voltei a escola, fiquei tão furioso, e irei ou não conversar com ele amanhã (dia 9 de novembro), então colegas gostaria de saber a respeito da opinião de vocês, professora Albênia, Paulo Vasconcelos, .... que procedimento devo tomar, penso em um processo administrativo, por constrangimento, difamação, assédio moral, ...

Agora que culpa eu tenho se a GRE recife norte, não cumpre o que propaga na abertura dos cursos? Quero apenas concluir o curso de forma positiva e eficaz, seria isso pedir demais? O que devo fazer? Ligar para a ouvidoria, procurar o senhor Alexandre gestor da GRE? Detalhe esse meu gestor foi denunciado esse mesmo ano por essa turma na GRE recife Norte, por falta de postura em sala de aula, não lecionar de forma correta, e tenho esse documento em mãos!

sábado, 7 de novembro de 2009

Secretaria de Educação de Pernambuco Vai Receber 154 Milhões de Dólares do Banco Mundial


Este montante que equivale a 246 milhões de reais se deve a um empréstimo feito pelo estado de Pernambuco ao Banco Mundial. De acordo com a Secretaria de educação, essa dinheirama será investida na modernização das unidades de ensino. (Fonte Jornal Diário de PE, 07/11)

Tal iniciativa vem engordar ainda mais os cofres da SEE, que já conta com os milhões do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica(FUNDEB).

Espera-se que tais reformas possibilitem uma melhoria concreta da estrutura de nossas unidades de ensino e garanta no mínimo a existência de banheiros dignos para professores e alunos, salas de aula com no mínimo porta e ventilador. Por mais incrível que possa parecer, isto só é visto em pouquíssimas unidades de ensino público em nosso estado. Boa parte das nossas escolas, em estado de desestruturação e decadência mesmo , contam com poeira, ausência de portas, mesas para professores, no mínimo adequadas, fiação elétrica comprometida e/ou falta de tomadas.

Se o problema da educação era a falta de verba, este parece ter sido sanado. Vamos ver agora como serão administrados tais milhões e esperar por novas e/ou reformadas unidades de ensino que atendam às necessidades da comunidade escolar.






quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Resposta da Ouvidoria da Secretaria de Educação sobre a cronometragem das aulas

Intrigada e indignada com a proposta indecente de cronometragem das aulas, uma professora enviou no dia 3 de julho a seguinte mensagem para a Ouvidoria da Secretaria de Educação (ouvidoria@educacao.pe.gov.br):
.
Boa noite! Desejo informações sobre comentário que ouvi acerca do uso de cronômetro e máquina fotográfica em sala de aula pelos técnicos em educação nas Escolas da Rede Estadual durante as aulas, por favor quero saber em que legislação está fundamentada essa ação,caso seja procedente, o mecanismo de mensuração e objetivos para tal.
.
Apenas no dia 20 de outubro houve uma resposta da Ouvidoria, que informou o seguinte:
.
A Ouvidoria agradece o seu contato e tem a informar que recebeu a seguinte resposta do setor responsável pela análise da sua manifestação (SEGE-SECRETARIA EXECUTIVA DE GESTÃO DA REDE): Informamos a V.Sª, que a Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco não utiliza nenhum instrumento nas salas de aula da rede estadual de ensino, como o relatado por Vossa Senhoria. Qualquer comentário nesse sentido é boato.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Sobre os infames cronômetros

NOTA DO SINTEPE - PESQUISA DO BANCO MUNDIAL (USO DO CRONÔMETRO)

.

Recebemos a informação que no período de 3 a 20 de novembro a Secretaria de Educação, através da Datamétrica, aplicará uma pesquisa sobre a dinâmica em sala de aula, com investimentos e interesses do Banco Mundial.
.
É importante esclarecer que a preparação para aplicação desta pesquisa, envolveu os Profissionais da Educação em atividade (Educadoras de Apoio) como pesquisadoras. Receberam capacitação e um cronômetro para auxiliar na aplicação da pesquisa, segundo o e-mail repassado para as pesquisadoras, elas receberão R$ 25,00 por cada turma observada. Logo, este é um trabalho extra, não tendo vinculação com as atribuições da função.
.
Neste sentido, orientamos aos professores e as professoras que estão atuando na sala de aula, que a observação da sua aula terá que ter sua permissão, por se tratar de uma pesquisa, você não é obrigado a aceitar a presença da “Educadora de Apoio”/Pesquisadora observando e cronometrando sua dinâmica na sala de aula.
.
Direção do SINTEPE

"Vem"... tá difícil ir para qualquer lugar com ele!

Tecnologia a serviço da incompetência
.
.
Créditos que não são computados no período devido (obrigando os usuários a passar pelo constrangimento de ter seus cartões recusados pelo aparelho nos ônibus), professores pagando passagem apesar de terem seus descontos de transporte cobrados e repasse dos créditos remanescentes dos antigos cartões ainda não cumpridos. Enfim, alguém consegue indicar algum benefício proporcionado pelo Vem? Será que algum burocrata da Secretaria de Educação sabe que este festival de trapalhadas está ocorrendo?

Escola literalmente afundando.

Matéria publicada no Diário de Pernambuco // Vida Urbana - 03.11.2009

CÓPIA:


Educação // Escola na Várzea enfrenta problemas de estrutura física e interdições


Paulo Vasconcelos postou mensagem denunciando que a Escola Senador Novaes Filho, localizada na Várzea, está literalmente afundando. Segundo ele, há grandes rachaduras em várias partes da escola. "A sala dos professores já foi interditada, assim como o banheiro dos professores e a secretaria. A parte frontal da escola está toda escorada, pois os pilares estão rachados e um cinturão de concreto que faz a amarração está totalmente solto", diz. O internauta informa que uma firma foi contratada para fazer uma reforma na escola para tornar o acesso mais fácil ao interior da mesma por parte de alunos com dificuldade de locomoção. "Porém, na medida em que a reforma avançava foi aparecendo um novo quadro que não tem nada com o que foi inicialmente contratado. É importante salientar que a escola tem apenas 26 anos de existência. Pouco tempo para estar com a estrutura física tão comprometida", comenta.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Educação em Pernambuco: de mal a pior

Hoje, a escola estadual São Luiz, localizada no bairro de Prazeres em Jaboatão dos Guararapes, foi notícia no NETV primeira edição. Tal fama se deveu ao fato dos alunos desta escola estarem estudando em local inadequado, onde não há nem banheiro. Paredes caídas, fossa estourada, vazamento de dejetos, entre outros inconvenientes fazem parte do cotidiano desses jovens .
Há muito tempo a direção, assim como os professores e alunos, da escola estadual São Luiz, já denunciam o caos e a impossibilidades da continuação do ano letivo nestas condições. Os alunos estão tendo aulas em parte do horário escolar e largando cedo, pois não há banheiro no prédio que tem várias paredes caídas, sem falar no fato dos alagamentos constantes durante as chuvas.
A SEE já sabia desses problemas há muito tempo e não tomou providência alguma. Estamos no final do ano letivo e nada acontece, além do aumento dos problemas dessa comunidade escolar. Pior ainda é saber que esse caos se repete em várias outras unidade de ensino.
Essa situação é uma vergonha para um estado que recebe o 7º maior repasse do FUNDEB.
O que mais precisa acontecer para que este governo tome providências concretas para a melhoria da educação em nosso estado?Denúncias não faltam, provas incontestáveis da péssima administração da educação em Pernambuco, também não.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

DATAMÉTRICA INVESTIGADA

A DATAMÉTRICA, empresa de consultoria encarregada de organizar e supervisionar o projeto do governo que consiste em fiscalizar as atividades dos docentes nas escolas da rede pública, pertencente a Alexandre Rands (írmão do deputado Maurício Rands (PT/PE) está na mira do MPPE.
Segundo a Folha de São Paulo (04.03.08 " Quatro ONGs na mira de CPI em elos com políticos"), a empresa tem ligações com a FADE (Fundação de Amparo ao Desenvolvimento da Educação), fundação que tem recebido irregularmente verbas do poder público. As atividades da fundação vem sendo monitorada minuciosamente e os dados coletados até agora no inquérito civil instaurado depõem, e muito contra a Fade diz o promotor Ulisses de Araújo Jr. "Há convênios e contratos celebrados ao arrepio da lei".
Bom lembrar que o projeto "Fiscalização Através de Cronômetros" é uma parceria, PUC/SP, Governo de Pernambuco e o Banco Mundial. O programa foi desenvolvido pelo professor Cláudio Ferraz (PUC/SP) tendo o mesmo vindo à Recife capacitar os técnicos da rede incubidos da aplicação deste nas escolas. O projeto, foi apresentado em reunião da Comissão de Negociação e SEE (agosto/09) sob o pseudônimo de "Medidores da Dinâmica Pedagógica", uma estratégia de marketing para não impactar a sociedade. Porém, o obejtivo é claro: controlar a produtividade dos educadores em sala de aula, é a óptica empresarial norteando a Educação em Pernambuco.
Desrespeito imensurável à nossa docência.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

FISCALIZAÇÃO ATRAVÉS DE CRONÔMETROS

Instruções dadas pela Secretaria de Educação aos técnicos educacionais,
VEJAM:

Olá Amigos, Educadores de Apoio:
O Profº..........., Chefe da ..... pediu-me que repassasse este e-mail pra vocês. Leiam e integrem-se:
Para podermos dar início à pesquisa de observações em sala de aula, precisamos passar algumas informações e colher alguns dados de cada um dos Educadores de Apoio que participarão da pesquisa.
1) As observações em sala de aula ocorrerão entre os dias 03 e 20 de Novembro. Cada Educador de Apoio irá observar em média 4 escolas.
2) O pagamento aos Educadores de Apoio será feito por turma observada. O valor pago será de R$25,00 por cada turma observada. Cada Educador de Apoio irá observar, em média, 25 turmas.
3) A Consultoria Datamétrica irá nos ajudar neste processo de organização dos Educadores de Apoio para as escolas da amostra, coleta de dados dos Educadores e supervisão da qualidade dos dados coletados. Estou copiando este e-mail para ..............., da Datametrica, que irá em breve entrar em contato com vocês. Favor incluí-la no destinatário ao responder este e-mail:
4) A Datamétrica também entrará em contato em breve para organizar, com cada Educador de Apoio, quando e onde as observações serão feitas, conforme as disponibilidades dos educadores de Apoio. A Datamétrica já possui os locais e os horários das aulas que deverão ser observadas por cada Educador de Apoio.
5) Para que possamos realizar o pagamento após o atestado do preenchimento correto das fichas de observações (que será feito pela Datamétrica), precisamos, com urgência, das seguintes informações de cada Educador de Apoio:
1) Nome Completo,
2) Nacionalidade,
3) Data de Nascimento,
4) Endereço, incluindo telefone e e-mail,
5) Informações Bancárias:
5.1) Número da Conta,
5.2) Tipo de Conta,
5.3) Agência,
5.4) Endereço do Banco
6) Após o recebimento destes dados iremos enviar um contrato para cada Educador de Apoio assinar se comprometendo a realizar as observações de maneira satisfatória para que, após o envio das fichas e a comprovação de que a observação foi feita corretamente, ser feito o pagamento.
7) A Datametrica será responsável pela avaliação dos dados coletados pelos Educadores de Apoio e supervisão da realização da pesquisa. Portanto, caso ela encontre algum problema nas fichas de codificação de alguma turma observada, será necessário que a observação seja refeita pelo Educador de Apoio dentro do prazo estipulado.

"Quando falei do projeto disseram-me para ter paciência que certamente, o mesmo seria engavetado.
Taí no que deu !!!
É o governo mostrando sua cara e aplicando um golpe atrás do outro contra nossa categoria, e agora bem melhor, já que pode contar com apoio e a conivência das direções "empossadas" sem eleição direta."

domingo, 25 de outubro de 2009

Fracassada a Mesa Geral de Negociação

A última reunião da Mesa Geral de Negociação Permanente foi mais uma vez um verdadeiro fiasco. Os servidores esperavam um pronuciamento propositivo por parte do governo, com relação ao reajuste salarial do funcionalismo para este ano que é obrigatório e está inscrito no artigo 37, inciso X da Constituição Federal. O próprio Governo tinha prometido uma definição para o mês de outubro após analisar o comportamento da economia, que mostra sinais de recuperação. Mas, o que se viu mais uma vez foi uma Administração menos preocupada com as péssimas condições de seus funcionários e se preocupando apenas em usar de seu tempo para comparar sua gestão ao do Governo anterior, tecendo loas a este Governo como"nunca antes nesse Estado" como se nós servidores estivéssemos ali a assistir um debate político partidário onde inclusive o outro lado não estava presente [...]
Se o objetivo do Governo foi mostar que ele concedeu melhores reajustes que o Governo anterior, o que é discutível, é importante comparar então quantos acordos foram quebrados pelo Governo anterior e quantos o Governo atual está quebrando [...] Uma coisa em comum pode ser observada entre os dois Governos: a prática neoliberal, na busca de atender aos interesses do capital em detrimento do cidadão e do verdadeiro papel do Estado que é de atender às necessidades da sociedade [...]
Enfim, é importante alertar a sociedade para essas práticas, pois os Governos passam, e o Estado permanece.

Trechos da Coluna do SINDIFISCO publicada nos principais jornais de hoje (25.10.09).

Conferência Estadual de Educação

Até o dia 3 de novembro o Sintepe irá realizar Plenárias Setoriais para escolher os delegados que participarão da 11º Conferência Estadual de Educação (18 a 21 de novembro em Itamaracá).
A tabela com dia, hora e local das plenárias encontra-se no site do Sintepe. Fiquem atentos, participem, são apenas 300 vagas para todo o Estado de Pernambuco.

http://www.sintepe.org.br/
fone:2127-8876 e 2127-8866

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

DIAS DIFICEIS ESTÃO POR VIR?

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) publicou no Diário Oficial desta quinta-feira (22) recomendação para que 30 escolas da Gerência Regional de Educação (GRE) Recife Norte reponham aulas do calendário letivo do ano passado. Segundo o MPPE, essas unidades de ensino apresentaram irregularidades quanto ao cumprimento da carga horária anual, que, de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, deve ser de 800 horas. Mas então pergunto, sabemos que os problemas de algumas escola localizadas na GRE recife norte não são só esses, então por que esse mesmo ministério público não denuncia? Não ficou do lado dos professores, que durante o período de greve, denunciaram os mais variados tipos de denúncias?

Para reverter esse déficit, o MPPE recomendou tanto ao gestor da GRE como aos gestores de cada uma das escolas que elaborem e cumpram calendário para reposição das aulas não ministradas no ano passado. A Secretaria Estadual de Educação também deve trabalhar para garantir a recuperação das horas do calendário de 2008, além de apurar outras irregularidades. Então pergunto que outras irregularidades, eu pelo menos sei de várias, mas então pergunto a vocês colegas professores, será legal as escolas ficarem o ano inteiro sem verba alguma para compra de material do tipo: resmas de papel, materiais para aulas de artes, ciências, Matemática, ou até mesmo os pilotos? Será que o ministério público sabe disso?

A promotora de justiça Katarina Morais de Gusmão destaca que a carga horária deve ser distribuída em, no mínimo, duzentos dias letivos, excluído o tempo reservado aos exames finais, quando houver. O não cumprimento desse mínimo de aulas determinado prejudica o processo de aprendizagem dos alunos. Mas o governo do estado está cumprindo isso, vejam o que aconteceu e está ocorrendo pós-greve, existem muitas escolas que ainda não começaram a repor as aulas da greve, e quando positivo não de forma adequada, ou seja, cinco aulas por turno, sei de algumas escolas em que 5 aulas são lecionadas em 1h e meia n máximo, será que o ministério público sabe disso?

Segundo a promotora, o secretário estadual de Educação, Danilo Cabral, o gestor da GRE Recife Norte e os gestores de cada escola têm um prazo de 20 dias contados a partir de hoje para enviar ao Ministério Público o levantamento do déficit de carga horária e o calendário de reposição das aulas. O relatório deve ser feito por turma, disciplina e por turno, além de conter motivos como reforma nos prédios escolares, afastamentos legais e falta de professores. Também devem ser indicados os dias, horários, turmas, turnos e os professores responsáveis pela reposição, indicando seus respectivos números de matrícula e vínculo. Não entendi, seremos nós que vamos ter de repor essas aulas? Ou os contratados para repor as greves, pois caso positivo (os contratados), as aulas serão “repostas” igualmente, como vem sendo com as aulas da greve, ou seja, de forma precária e enganosa!

A Secretaria de Educação de Pernambuco informou que irá solicitar o relatório completo ao MPPE e, ao mesmo tempo, irá cobrar da GRE Recife Norte a situação de cada escola. Caso as escolas não atendam à recomendação, o MPPE poderá entrar com ação judicial. Essa ação não deveria ter ocorrrido durante a greve contra o governo estdual, em que foram denunciados diversos problemas das escolas? Será que isso significa que dias difíceis estão por vir em novembro de 2009? De uma coisa já sabemos, o primeiro dos golpes conta os professores será a incorporação da gratificação do magistério no vencimento base de nossos salários, resumindo a lei 11.738 (lei do piso) em Pernambuco é uma utopia com esse governo de Eduardo Campos!

Nunca em estado algum, soube de uma lei complementar estadual que, anula-se uma lei sancionada pelo presidente, então não é a toa que Pernambuco está se transformando em um quilombo! E adivinha quem são os escravos? E com esse sindicato, o sangue de nossos corpos vão escorrer nas escolas! Por isso tento mobilizar e concientizar meus colegas ao máximo, e adivinhe por conta de uma gestão deficiente, minha escola está dentre estas 30, sorte do gestor atual, que assumirá os erros da gestão anterior! Isso é o que dá ser eleito pelo governador, sem aprovação da comunidade escolar e principalmente por conta de algumas atitudes ter os professores se afastando cada vez mais da escola, só esse ano foram 4 dos efetivos!

Perguntar não ofende...

Onde foram parar os créditos de passagens remanescentes dos antigos cartões Passe Fácil?
.
O sistema de bilhetagem eletrônica mudou, mas o que não muda é o velho hábito de ir empurrando os direitos dos servidores com a barriga. Estamos aguardando o repasse de créditos devidamente pagos (pois são resultado de descontos em nossos salários) e, até agora, nem mesmo uma justificativa para a demora foi prestada.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Professor do Estado é ou não é servidor público?

De repente na minha qualidade de professor do Estado, passei a duvidar se sou ou não servidor público. Esta dúvida surgiu depois da assembléia de hoje, dia 20/10/09 na quadra do IEP.
Há uma paralisação dos servidores do Estado para durar 48 horas, começando na quarta, dia 22 e terminando na quinta, dia 23. Mas, o Sintepe conduziu toda a assenbleia no sentido de ficarmos de fora desta paralisação. Assim, ficou uma dúvida em minha cabeça: Depois de tantos anos ensinando em escola pública estadual, será que não sou também um servidor público? Com a palavra, as cabeças pensantes do Sintepe(Sindicato chapa branca de Dudu).

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

ASSEMBLEIA GERAL DO SINTEPE



LOCAL: Quadra do IEP

DATA: 20/10/2009 às 14h

PARTICIPEM!!!COLABOREM COM IDEIAS E AÇÕES!!!

A participação de todos faz muita diferença. Pernambuco precisa acordar já, para ver a falência da sua política educacional pública!!!

domingo, 18 de outubro de 2009

AGORA É MENTIRA?

Após a divulgação dos dados do MEC, a respeito da média salarial dos professores das escolas públicas municipais e estaduais veio à tona, o que não é novidade nem surpresa para os professores pernambucanos, Pernambuco é o estado que paga o pior salário do Brasil!

Essa divulgação, em rede nacional, a meu ver, tem o aspecto positivo, de que a imprensa nacional não está só preocupada com Pernambuco quando o tema é, por exemplo, a seca e a pobreza. É evidente que os estados que pagam melhor aos seus professores, possuem um IDEB melhor se comparado aos outros estados, assim como o nível de aprendizagem dos estudantes é bem melhor se comparado com os de Pernambuco.

Então fica a pergunta, será que as 50 mil capacitações como o governo estadual afirma ter disponibilizado aos professores, os tão cogitados notebooks, assim, como o bônus de desenvolvimento educacional, que mais constrangiu do que premiou os professores são ações ou mesmo medidas “eficientes” a estimular os professores? Acho pouco provável, será que a secretaria de educação vai querer dessa vez, distorcer a informação oriunda do MEC, da folha de São Paulo, ...? Não tem como mascarar os dados divulgados! eles podem até tentar iludir os pernambucanos, mas os brasileiros é querer demais não! Sejam mais criativos nas justificativas, ninguém aguenta mais as mesmas justificativas!

É interessante, pois sendo essa notícia de pior salário pago aos professores de PE veiculada nacionalmente, o Brasil como um todo passa a enxergar Pernambuco como um estado que investe pouco em seus professores, pois “investir” em capacitações, em notebooks (sem a possibilidade de inclusão no espaço digital dos professores, que não tem condições de pagar uma internet banda larga), “premiar” alguns professores de algumas escolas por conta de uma prova de desenvolvimento educacional intitulada de IDEPE, de nada adianta, principalmente quando a mesma não passa a ser de domínio público, por que tanto segredo quanto a aplicação, por que tanto segredo quanto a sua composição, nível de dificuldade, ...... isso é ser democrático?

Por fim, não é de assustar que da mesma forma que Pernambuco paga o pior salário aos seus professores de que, as notas dos municípios no IDEB (prova Brasil) também seja muito abaixo da média nacional por que será mesmo? Que professor diante de um cenário desse tem estímulo para elaboração de boas aulas, pesquisa de livros e situações didáticas para por em prática em sala de aula, quando nem tempo para almoçar ele tem, pois na maioria dos casos trabalha os três turnos de segunda sexta-feira, para sobreviver?

Então, fico na dúvida quanto a frase veiculada pelo estado: É investindo na educação que Pernambuco se transforma”, quer dizer se transforma em que? O governo estadual não está preocupado com a educação e sim em proliferar seu populismo estado a dentro, a mídia pernambucana apóia até certo ponto e sendo cúmplice em muitas situações, lembram durante a greve? Mas a mídia nacional não! Será que Eduardo Campos “tem poder“ para desmentir, por exemplo, o respeitado jornal Folha de São Paulo ou mesmo o MEC? E de quem será a culpa por tudo isso, adivinhem?



PROFESSOR - O TEU SILÊNCIO


Professor, o teu silêncio secou teu olhar para a aurora.
Ao teu alheamento ergueu-se a saudade dos sussurros.
A catedral de silêncios é a própria sombra do momento, criado para te calar.
A tua voz é viúva e o tédio do teu silêncio abriga os horizontes da dor.
O teu riso professor é o eco das harpas sem cordas.
Os alunos foram cúmplice do teu calar,
mas não são acusados pelo teu eterno silenciar.


Professor, o teu silêncio é uma nau perdida em um mar de dor e solidão.
O coração dos alunos é uma âncora para esta voz surda e pálida.
É hora de assombros, no teu céu interior.
Tua alma é caverna onde as emoções são talhadas em mármore frio.
E os sonhos, professor, são tristes enganos, adormecem em leitos de dor.
O palácio das angústias é tua alma, pálida hora do sussurro.


Dói, mestre, ver o abandono dos sorrisos cristalinos e a angústia da voz cortada pelo olhar de dor.
As ruínas que abrigam tua alma é irmã daquela que acolhe tua voz.
És náufrago de um mar de dor.
Poeira ao vento do esquecimento.


Professor, um olhar furtivo e caridoso acolhe todo timbre e alegria da tua voz, enquanto um mar de lágrimas abriga toda tua dor.
Querem te silenciar, assim como querem teu esquecimento.



Os eleitos pelo povo silenciam a voz dos mestres.
Obra sublime, venceram décadas de ditadura.
Com um silenciar insistente e amplo.
Silenciar, que atinge tua alma, teu bolso e tua dignidade.
Eles profetizam: cala-te professor!
O silêncio se faz.... Até quando?


Poetisa e docente:DUCI MEDEIROS
Figura: O silencio de Henry Fuseli (http://olivrodosseresimaginarios.files.wordpress.com/)

Penúria salarial dos professores em Pernambuco é notícia nacional



Professor de Pernambuco ganha um terço do salário de colega no DF
ANDRÉ MONTEIRO (da Folha de São Paulo)
http://www1.folha.uol.com.br/folha/educacao/ult305u639100.shtml
.
Segundo dados divulgados pelo MEC (Ministério da Educação) nesta sexta-feira, um professor da educação básica da rede pública de Pernambuco ganha menos de um terço do salário pago ao mesmo profissional no Distrito Federal. Enquanto o professor de Pernambuco recebe, em média, R$ 982, o do Distrito Federal recebe R$ 3.360, ambos com uma carga horária de 40 horas semanais.
.
O levantamento levou em conta a média dos salários pagos em 2008 aos 1.984.837 professores que dão aulas na rede pública não federal. A média dos salários pagos no Brasil para esses profissionais é de R$ 1.518,26 --em 16 Estados os professores recebem um valor menor.
.
Em 2003, a média nacional era de R$ 919,84, o que mostra um crescimento de 65% nos salários dos professores nos últimos cinco anos. O Estado que mais teve aumento foi Sergipe, que passou de R$ 719 em 2003 para R$ 1.611 no ano passado --o valor mais que dobrou. Mesmo assim, Sergipe está na décima posição do ranking de salários.
.
O Estado com o menor aumento no período foi o Amapá, que passou de R$ 1.194 para R$ 1.615 --aumento de 35%, mas que o coloca na nona posição.
.
O levantamento do MEC também comparou o nível salarial dos professores sem curso superior com aqueles que pelo menos possuem ensino superior incompleto. Com mais estudo, a média salarial brasileira sobre para R$ 1.612,32 --aumento de 6%.
.
Isso quer dizer que os professores da educação básica que cursam ou concluíram uma faculdade ganham R$ 94 reais a mais por mês em relação aos colegas que têm apenas ensino médio. O Estado onde está a maior diferença é o Amapá, onde o curso superior representa um aumento de R$ 275 no salário.
.
Nota do Blog:
É evidente que o governador não está constrangido com o fato, mas a situação de Pernambuco é citada em várias fontes de notícias em todo o país, eis alguns exemplos numa rápida sondagem pela internet:

MÉDIA SALARIAL DE DOCENTE NO ESTADO É A PIOR DO PAÍS

Publicado em 16.10.2009, Cidades/ JC

O ano de 2008 ficará marcado para os professores de escolas públicas em Pernambuco, mas por causa de um título que eles não gostariam de ostentar. O Estado teve a pior média salarial do Brasil na educação básica, segundo o Ministério da Educação (MEC): R$ 982. É a única unidade da federação com remuneração total abaixo de R$ 1.000. Comparando com o Distrito Federal, melhor pagador do País, a diferença é de 242%. O levantamento, organizado pela assessoria do ministro a partir de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), considera apenas docentes das redes municipais e da Estadual.As tabelas do MEC traçam ainda a evolução salarial de 2003 a 2008. Nesse período, os educadores que atuam nas redes públicas de Pernambuco obtiveram aumento de 40,09%, melhor apenas que os colegas de Minas Gerais (38,22%), Rondônia (37,93%) e Amapá (35,26%). Só que, em 2003, os pernambucanos não recebiam o pior contracheque. Eram os piauienses, com R$ 539. Mas estes conseguiram dar um salto de 105% ao final desses cinco anos.Desde janeiro, o governo estadual paga mais que o piso salarial nacional, de R$ 950. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Educação, são R$ 1.606 de média. É que o cálculo do ministério leva em conta salários pagos também pelos municípios, que puxam os números para baixo. No entanto, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado (Sintepe) diz que o valor divulgado pelo governo não é real.“O Estado está mentindo. Nosso salário fica em torno de R$ 1.200, mas continua menor que a média nacional (R$ 1.527). Por isso não é novidade que estejamos em último lugar nesse ranking do ministério. Dizemos isso há anos”, rebate o presidente do Sintepe, Heleno Araújo. Conforme o sindicalista, a situação dos profissionais com nível médio melhorou, porém os que possuem diploma de nível superior não tiveram aumento significativo nos últimos anos.Para quem encara a lousa diariamente, receber R$ 3.360 por mês, como os docentes do Distrito Federal, é um sonho. “Se tivéssemos um salário decente, não precisaríamos manter dois vínculos com o Estado. Mesmo que concedessem 100% de reajuste, ainda não seria o ideal”, critica Paulo Vasconcelos, 48, que há 20 anos leciona português e inglês na rede estadual.O professor de química Giovanni Falangola, 41, trabalha os três turnos de segunda a quinta-feira. No fim do mês, o contracheque não ultrapassa R$ 1.040. Sua colega Felicine Costa de Lucena, 31, que ensina língua portuguesa, diz que a extensa jornada interfere diretamente na qualidade do ensino oferecido aos alunos. “Não temos hora para almoçar, quanto mais para pesquisar”, queixa-se ela, que ingressou na rede quatro anos atrás.A Secretaria de Educação do Estado alega, por sua vez, que os educadores usufruem de vantagens como o Bônus de Desempenho Educacional (BDE), espécie de 14º salário. O governo afirma ter oferecido ainda 50 mil capacitações e três mil cursos de especialização e extensão, além de garantir notebook para 26 mil professores.NACIONAL - Além de Pernambuco, outros 15 Estados estão abaixo da média salarial nacional, segundo o levantamento do MEC. Entre os 12 que superaram a marca, há apenas um nordestino: Sergipe, com remuneração de R$ 1.611. Por outro lado, quatro dos sete Estados do Norte entram nesse grupo: Roraima, Acre, Amapá e Amazonas. Do Sul, somente Santa Catarina amarga salário abaixo da média do País.No que diz respeito ao ganho percentual de 2003 a 2008, Sergipe também beneficiou mais seus professores. Concedeu 124% de aumento no período. Alagoas mais que dobrou os vencimentos dos docentes, assim como Distrito Federal e Piauí. Mas todos, sem exceção, evoluíram.

sábado, 17 de outubro de 2009

ATENÇÃO, PROFESSORES!

Não sei se é do conhecimento de todos, mas conforme divulgado ontem, no jornal folha de Pernambuco, o governo estadual divulgou no último dia 9, que a tabela de planos de cargos, carreiras e vencimentos não será implantada este ano, isso para todos os servidores estaduais! Vejam até onde está indo a audácia desse governo! Não podemos, mas ficar parados sem fazer nada, isso é um absurdo!

Mas uma vez o governo que diz que vai cumprir com os acordos firmados com as categorias, não irá cumprir com sua palavra, o mesmo gasta 44,3% com os servidores quando o máximo é de 46,55%, para onde vai os 2,25%? Dessa forma, haverá uma paralisação geral, na quarta, às 13h haverá na praça Osvaldo Cruz uma passeata até o palácio do Campo das Princesas e à noite haverá uma vigília na quinta-feira será a vez da secretaria de administração às 14h, e para os professores já começa na terça-feira (dia 20) com a marcha pela defesa da escola pública!

Mas, vai minha sugestão, vamos parar é a semana toda, devemos desestruturar esta autoconfiança do governo quanto as próximas eleições, pois a meu ver esse é um dos fatores que estão ocorrendo, o governo está muito auto confiante de que será eleitos mais uma vez, vamos mostrar agora depois de quase quatro anos, que aqueles que infelizmente votaram em Eduardo como eu, não pensam mais da mesma maneira, e qualquer coisa é melhor do que EDUARDO CAMPOS!

COMPAREÇA, PROFESSOR! POIS NÃO MERECEMOS GANHAR O PIOR SALÁRIO DO BRASIL!

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

PERNAMBUCO - O PIOR SALÁRIO DO BRASIL!!!!!!!!!!

Em 16 estados, salário de professores do ensino básico é inferior à média nacional
.
Pior salário está em Pernambuco (R$ 982), o melhor, no DF (R$ 3.360). Dados do MEC mostram remuneração média de educadores em 2008.
.
Clique na imagem para ampliar
Levantamento realizado pelo G1 a partir de informações do Ministério da Educação (MEC) mostra que os professores da rede básica de educação de 16 estados recebem salário inferior à média nacional, de R$ 1.527 mensais. (A primeira versão desta reportagem dizia que os salários eram menores em 15 estados. O texto já foi corrigido.)
.
Os professores do Distrito Federal são os mais bem remunerados – R$ 3.360, mais que o dobro da média brasileira. O Brasil tem 1,7 milhão de professores na rede básica de ensino.
.
Os números se referem a 2008 e estão em um levantamento elaborado pelo MEC sobre a folha de pagamento média de professores das redes públicas municipal e estadual nos 26 estados e no Distrito Federal. Os valores já incluem gratificações e consideram a renda do trabalho padronizado para 40 horas semanais.
.
Números se referem a 2008 e estão em um levantamento elaborado pelo MEC sobre a folha de pagamento média de professores das redes públicas municipal e estadual nos 26 estados e no Distrito Federal. Em 2003, a média nacional era de R$ 994, o que revela um crescimento de R$ 53,6% na renda dos professores nos últimos cinco anos. Em relação a 2003, quando 19 estados remuneravam seus professores com valores inferiores à média nacional, houve uma pequena melhora dos salários.
.
O levantamento do MEC sobre a folha de pagamento dos educadores também mostra que o professor de Pernambuco é o profissional que recebe a pior remuneração: R$ 982. Em comparação com os R$ 3.360 mensais de média recebidos pelos professores do Distrito Federal, a diferença é de 242%. Para chegar a esses dados, o MEC cruzou dados do próprio ministério com informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), elaborada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
.
Há cinco anos, os professores do Piauí, com R$ 539, tinham a pior remuneração, enquanto os profissionais de Pernambuco recebiam R$ 701. De 2003 até 2008, os educadores do Piauí viram a sua remuneração dobrar – hoje é de R$ 1.105 – enquanto os profissionais pernambucanos tiveram apenas R$ 281 de aumento.
.
Relatório
.
Leitores de diferentes regiões do país questionaram o levantamento divulgado nesta sexta-feira (16), segundo o qual o MEC apresenta a média salarial dos professores da rede básica de ensino no país. O G1 conversou com a autora do relatório, a consultora do MEC em São Paulo Fabiana Felício, para esclarecer o método adotado na definição da média.
.
Fabiana explica que o MEC trabalhou apenas com dados do IBGE. Ela mensurou dados das respostas apresentadas por professores na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad). “Separei os professores que responderam atuar nas redes de ensino básico municipal e estadual. A partir das informações repassadas por eles sobre salário e jornada de trabalho, foi que a média por estado foi elaborada”, explica Fabiana.
.
A consultora estipulou a carga horária de 40 horas para elaborar a média: “O marco foi as 40 horas. Tem professor que trabalhou menos e professores que trabalharam muito mais. Não fizemos nenhuma projeção, os dados são os mesmos que foram informados por 1,9 milhão de professores no Pnad.”
.
Fabiana constatou, a partir da pesquisa sobre os dados do Pnad, que os professores da rede estadual são melhor remunerados, se comparados aos educadores da rede municipal. O assessor do MEC, Nunzio Briguglio Filho, também defendeu o levantamento do ministério: “Esse levantamento não é fictício. Foi feito a partir do Pnad. Agora, se tem professor que ganha menos, se o prefeito não paga o que tem de pagar, não podemos fazer nada.”




quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Atualização do Fundemômetro

Após o pagamento da 9ª parcela (R$ 99.853.453,41) do FUNDEB neste ano, Pernambuco já recebeu R$ 927.916.105,26... e o salário continua o mesmo!

Xangai no Teatro do Parque

Folha on line

Violeiro baiano mostra seu show hoje, na Cidade
Sucesso na década de 1980, vinculado à tradição nordestina que invadiu a música brasileira nesse período, Xangai representa hoje um sopro de resistência dentro do cenário popular. O cantor e violeiro baiano, que iniciou a carreira em 1976, gravando seu primeiro disco, “Acontecimento”, retorna aos palcos da Cidade para apresentar seu show no Teatro do Parque hoje, às 20h.
Xangai é considerado o melhor intérprete do ícone da composição baiana Elomar, que muitos tomam como erudito. O cantor participou ainda com o cantor Waldick Soriano nos últimos shows da carreira. Para o show de hoje, Xangai revisita os clássicos de sua carreira como “ABC do Preguiçoso”, “Nós é Jeca Mas é Joia”, “Matança” e “Ei, Flor”.

Serviço
Show Xangai
Hoje, às 20h
Teatro do Parque
Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)
Informações: 3232.1553

DESMARCADO...

A companheira Amanda Tavares (professora da rede e jornalista do JC) acabou de ligar-me comunicando que, foi desmarcado o debate de hoje a noite sobre Educação.
Ednaldo Santos que comanda o programa (Movimento/Radio Jornal) está doente, hoje não haverá programa, será agendada outra data.
Aguardaremos com muita expectativa.
Abraço grande e o desejo de melhores dias, pois apesar de tudo somos a 2ª categoria de profissionais considerados mais confiáveis no Mundo e, a 4ª no Brasil.
Profissionais mais confiáveis:
No mundo:
Bombeiros 92%
Professores 85%
Médicos e Carteiros 81%
No Brasil :
Bombeiros 95%
Carteiros 90%
Médicos 82%
Professores 81%
Os políticos aparecem como os profissionais menos confiáveis.
(Fonte: Jornal Hoje- Rede Globo, 16 de julho de 2009)
SERÁ QUE TEMOS O QUE COMEMORAR HOJE DIA DO PROFESSOR?

Antes de mais nada, meus parabés a todos os colegas professores, desde os docentes, aos vigilantes, secretarias, funcionários da ADILIN, ..., ou seja, todos que direta ou indiretamente estejam envolvido no processo educacional que encarem esse fardo com esperança em dias melhores.

Confesso a vocês, que sei que posso confiar, que estou sentindo um pouco de inveja, mais uma inveja sadia quanto a valorização que estão tendo os colegas da rede municipal do Recife, mas ao mesmo tempo, orgulhoso, por saber que diante de poucos dias de greve comparado aos dias de gerve da rede estadual, o quanto a pauta de reinvidincações foi atendida por parte da prefeitura do Recife. Parabéns, aos colegas e ao sindicato que se mostra muito bem densvolvido na arte de reinvidicar e arugumentar acerca de seus direitos .

Voltando ao cenário estadual, o que ganhamos um "parabéns" muito fajuto e mal redigido da parte do senhor secretário, que se quer teve disposição para escrever uma homenagem de seu próprio punho, se encostou em palavras do sábio Paulo Freire, que coisa feia!

Precisamos nesse nosso dia, repensarmos sobre nossa postura durante o período de greve de 2009 e quanto o que é prometido pelo governo e não se é cumprido, vejam que se quer tem a coragem de irem a um debate, como o que vai ocorrer hoje na rário jornal (AM 780), às 21h e prestar as devidas justificativas sobre vários pontos que por sinal não poucos. Isso não seria negligência caminhando para a improbidade administrativa? Ou seria mesmo falta de respeito com os mais de 30 mil docente? Seja qual for nenhuma, é de agrado de nenhum professro disso estou certo!

Por favor, vamos mudar esse cenário em que Eduardo Campos se encontra de total segurança quanto as próximas eleições, o mesmo, a meu ver se encontra muito seguro quanto a sua reeleição em 2010, vamos mostrar que somos uma categoria unida, instruída e principalmente relembrar que em determinados momentos da história e de muitas eleições nosso voto foi determinante! Finalmente, não vejo o muito o que comemorar, a não ser pela nossa bravura em lecionar na rede estaudal, principalmente diante do cenário atual!

Vamos mentalizar e propagar com nossa comunidade escolar: Eduardo Campos, nunca mais!

Parabéns a todos os professores!

Quem entende a Secretaria de Educação de Pernambuco?

Hoje, dia 15, pela manhã, no programa Bom Dia Pernambuco, da rede Globo, foi colocado de forma muito clara a situação de insegurança dos professores que atuam nas escolas públicas de Pernambuco.



Comércio de drogas, violência entre outros fatores fazem com que trabalhar com os jovens fique cada dia mais difícil, diante das condições que são impostas aos docentes em seus locais de trabalho. Além de conviver com a violência física e psicológica, tais docentes, denunciam ainda na reportagem, que são violados em seu direito e dever de avaliar os alunos, condição básica para se desenvolver posturas que auxiliem os discentes em seu processo de aprendizagem.




Em entrevista, à repórter do Bom Dia Pernambuco, Aida Monteiro, falou "escola não é lugar de reprovação" ao ser indagada sobre denuncias de professores que afirmam serem obrigados a aprovar alunos sem o mínimo de condição, além de não poderem registrar faltas dos mesmos. Esta segunda pessoa em nível de importância da SEE disse, também, desconhecer que professores em Pernambuco sejam obrigados a aprovar alunos.




Ora se "escola não é lugar de reprovação" e se realmente existir a gratificação por número de aprovação de alunos aos gestores das escolas estaduais, como muitas pessoas falam, como deveremos interpretar isso?Devemos entender o que da postura oficial da Secretaria de Educação de Pernambuco no que se refere a avaliação dos discentes?




A SEE deveria deixar clara sua postura aos docentes e gestores de nosso estado. Um pouco de coerência não faria mal algum a educação de Pernambuco.

Debate na Rádio Jornal

Logo mais, às 21h, neste dia 15, Dia do Professor, debate na Rádio Jornal sobre Educação, no programa Movimento, de Ednaldo Santos.
Participação de Amanda Tavares (jornalista do JC), Paulo Alexandre (criador do blog Alternativa, professor da rede estadual e mestre em História) e Heleno Araújo (presidente do Sintepe). Os representantes da Secretaria de Educação foram convidados (Danilo Cabral e Aída Monteiro, mas alegaram que não poderiam ir, nem teriam alguém para indicar).
Mesmo assim, o comunicador decidiu manter o debate.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Aos meu amigos professores!

O fim dos professores.


O ano é 2.209 D.C. - ou seja, daqui a duzentos anos - e uma conversa entre avô e neto tem início a partir da seguinte interpelação:

– Vovô, por que o mundo está acabando?

A calma da pergunta revela a inocência da alma infante. E no mesmo tom vem a resposta:

– Porque não existem mais PROFESSORES, meu anjo.

– Professores? Mas o que é isso? O que fazia um professor?

O velho responde, então, que professores eram homens e mulheres elegantes e dedicados, que se expressavam sempre de maneira muito culta e que, muitos anos atrás, transmitiam conhecimentos e ensinavam as pessoas a ler, falar, escrever, se comportar, localizar-se no mundo e na história, entre muitas outras coisas. Principalmente, ensinavam as pessoas a pensar.

– Eles ensinavam tudo isso? Mas eles eram sábios?

– Sim, ensinavam, mas não eram todos sábios. Apenas alguns, os grandes professores, que ensinavam outros professores, e eram amados pelos alunos.

– E como foi que eles desapareceram, vovô?

– Ah, foi tudo parte de um plano secreto e genial, que foi executado aos poucos por alguns vilões da sociedade. O vovô não se lembra direito do que veio primeiro, mas sem dúvida, os políticos ajudaram muito. Eles acabaram com todas as formas de avaliação dos alunos, apenas para mostrar estatísticas de aprovação. Assim, sabendo ou não sabendo alguma coisa, os alunos eram aprovados. Isso liquidou o estímulo para o estudo e apenas os alunos mais interessados conseguiam aprender alguma coisa.

Depois, muitas famílias estimularam a falta de respeito pelos professores, que passaram a ser vistos como empregados de seus filhos. Estes foram ensinados a dizer “eu estou pagando e você tem que me ensinar”, ou “para que estudar se meu pai não estudou e ganha muito mais do que você” ou ainda “meu pai me dá mais de mesada do que você ganha”. Isso quando não iam os próprios pais gritar com os professores nas escolas. Para isso muito ajudou a multiplicação de escolas particulares, as quais, mais interessadas nas mensalidades que na qualidade do ensino, quando recebiam reclamações dos pais, pressionavam os professores, dizendo que eles não estavam conseguindo “gerenciar a relação com o aluno”. O professores eram vítimas da violência – física, verbal e moral – que lhes era destinada por pobres e ricos. Viraram saco de pancadas de todo mundo.

Além disso, qualquer proposta de ensino sério e inovador sempre esbarrava na obsessão dos pais com a aprovação do filho no vestibular, para qualquer faculdade que fosse. “Ah, eu quero saber se isso que vocês estão ensinando vai fazer meu filho passar no vestibular”, diziam os pais nas reuniões com as escolas. E assim, praticamente todo o ensino foi orientado para os alunos passarem no vestibular. Lá se foi toda a aprendizagem de conceitos, as discussões de idéias, tudo, enfim, virou decoração de fórmulas. Com a Internet, os trabalhos escolares e as fórmulas ficaram acessíveis a todos, e nunca mais ninguém precisou ir à escola para estudar a sério.

Em seguida, os professores foram desmoralizados. Seus salários foram gradativamente sendo esquecidos e ninguém mais queria se dedicar à profissão. Quando alguém criticava a qualidade do ensino, sempre vinha algum tonto dizer que a culpa era do professor. As pessoas também se tornaram descrentes da educação, pois viam que as pessoas “bem sucedidas” eram políticos e empresários que os financiavam, modelos, jogadores de futebol, artistas de novelas da televisão, sindicalistas – enfim, pessoas sem nenhuma formação ou contribuição real para a sociedade.

Ah, mas teve um fator chave nessa história toda. Teve uma época longa chamada ditadura, quando os milicos colocaram os professores na alça de mira e quase acabaram com eles, que foram perseguidos, aposentados, expulsos do país, em nome do combate aos subversivos e à instalação de uma república sindical no país. Eles fracassaram, porque a tal da república sindical se instalou, os tais subversivos tomaram o poder, implantaram uma tal de “educação libertadora” que ninguém nunca soube o que é, fizeram a aprovação automática dos alunos com apoio dos políticos... Foi o tiro de misericórdia nos professores. Não sei o que foi pior – os milicos ou os tais dos subversivos.

– Não conheço essa palavra. O que é um milico, vovô?

– Era, meu filho, era, não é. Também não existem mais...

Autoria Desconhecida